O Olho

 O olho humano

Os olhos são os nossos principais órgãos de contato com o mundo. Sendo o responsável pela visão, ela é, entre os cinco sentidos, o que mais nos permite ter a percepção do mundo que nos rodeia.

Sendo muito diferente dos olhos de animais, o olho humano dá uma visão muito mais complexa, apresentando partes específicas para reconhecimento e percepção de luz e partes para interpretar as imagens que recebemos no cérebro.

Assim, nós, humanos, podemos focalizar um objeto, controlar a quantidade de luz que recebemos e produzir uma imagem muito mais nítida, reconhecendo o objeto que estamos vendo.

O globo ocular protegendo os olhos

Os olhos tem o formato de um globo, estando localizado numa cavidade esférica, dentro do crânio, e protegido pelas pálpebras.

No seu interior existem seis músculos, que são os responsáveis diretos pelos movimentos que fazemos, além de três camadas unidas, nos fornecendo as funções de visão, nutrição e proteção do globo ocular.

A primeira camada é formada pela córnea e pela esclerótica, que protegem o olho humano contra poeira e agressões externas.

A segunda camada é formada pela íris, a coroide e o corpo ciliar e a última camada, interna é a retina, que é a parte nervosa do olho humano.

Temos ainda o humor aquoso, que é um líquido incolor, localizado entre a córnea e o cristalino, e o humor vítreo, uma substância gelatinosa que preenche todo o espaço do nosso globo ocular, também entre a córnea e o cristalino.

Esses elementos todos é que dão o formato esférico do olho, propiciando que tenhamos a visão correta dos objetos e pessoas.

O cristalino é a parte que funciona como lente, formada por uma substância gelatinosa, elástica, e convergente, responsável pela focalização da luz que entra no olho humano e formando as imagens na retina.

Missão do cristalino

Enxergar de longe ou de perto é uma missão do cristalino, modificada pelos músculos do corpo ciliar. É isso que nos possibilita ajustar a visão para os objetos distantes ou próximos de nossos olhos, numa atividade que se chama acomodação do olho.

Para a íris sobra a responsabilidade de medir e se ajustar à quantidade de luz que entra no olho humano, dilatando ou contraindo a pupila, quando quer aumentar ou diminuir a quantidade de luz.

A íris é a parte colorida, que dá cor aos olhos das pessoas, determinada por nossa genética e pela quantidade de pigmentos que temos nos olhos, enquanto a pupila é a pequena lente no meio, que se expande e se contrai.

O olho humano ainda tem as pálpebras, as glândulas lacrimais e os cílios. Os cílios nos protegem da poeira e do excesso de luz, enquanto as pálpebras protegem os olhos e espalham o líquido lacrimal, produzido pelas glândulas lacrimais, lubrificando o olho para que permaneça sempre atento.

Embora muita gente não saiba, nós, humanos, também temos um ponto cego, um lugar onde o nervo ótico sai do olho para levar as informações ao cérebro. Ele é assim denominado porque ali não existem receptores sensoriais, sem ter, desta maneira, uma resposta à estimulação.

Como enxergamos o mundo

As partes mais importantes para a visão do olho humano são a retina e o nervo ótico.

A retina atua como uma tela, onde as imagens são projetadas, retendo essas imagens e traduzindo-as para o cérebro através de impulsos elétricos. Esses impulsos elétricos são transmitidos pelo nervo ótico.

Na retina encontramos milhões de bastonetes e cones que, quando estimulados pela luz, decompõem-se para formar a imagem. Ao formar a imagem, os impulsos são enviados para o cérebro.

São três tipos de cones diferentes, que nos dão a percepção das cores. Um tipo de cone é sensível às cores azul e violeta; outro tipo percebe o verde e o terceiro, o amarelo.

Desta forma, podemos explicar como percebemos as cores: como cada cor é determinada pela frequência dos impulsos que chegam ao cérebro, existe um processo de adição de cones, ou seja, as cores são adicionadas para que possamos perceber todas as tonalidades e nuances.

O interessante do olho humano é saber que ele recebe a imagem invertida, isto é, de cabeça para baixo. Quando estamos olhando um objeto ou uma pessoa, nós a vemos exatamente como está no lugar em que estiver, mas esta imagem, no olho humano, aparece invertida, como se fosse uma câmera fotográfica.

Interpretação da imagem

Lá dentro, no cérebro, depois de remetida, é que a imagem é corretamente interpretada. Assim, enxergamos tudo de ponta-cabeça, ou de cabeça para baixo, mas nosso cérebro interpreta da forma correta.

Outro detalhe importante do olho humano é que nós temos condições de perceber a visão em três dimensões.

Temos, então, a noção de distância, de relevo e de profundidade, e isso é proveniente da posição dos olhos, da distância entre o direito e o esquerdo, o que uma imagem formada num dos olhos seja diferente da outra, formada em outra retina.

A superposição dessas duas imagens no nosso cérebro é que nos dá a sensação de profundidade, reconhecendo a distância que nos separa do que estamos vendo.